Estava há algum tempo sem tirar férias e consegui me programar para ficar um tempinho com os amigos Sandro e Aureo no querido veleiro Obelix II em Angra dos Reis – RJ.

A recepção dos capitães foi demais. Os caras conseguem equalizar a vida a bordo de modo a tornar hábitos simples do cotidiano à bordo em dias realmente especiais. Me impressiona como a vida em um veleiro é algo diferente. Naqueles dias não vimos vitrine, não nos preocupamos com gastos e ganhos, tínhamos acesso restrito a internet, o que, ao contrário do que parece, torna os dias ainda mais agradáveis.

A vida à bordo nos ensina a dar valor a coisa que na cidade grande simplesmente não são percebidas. Aprendi muito naqueles dias: novos nós, manobras, utilização de cartas náuticas, navegação com eletrônicos e experiências da vida no mar.

Mesmo estando no mundo náutico praticamente desde o meu nascimento (por pouco não nasci no barco, e com escamas!)  e morando a bordo do veleiro Confusinho no Rio de Janeiro há 4 anos, aprendi e troquei experiências que, na minha opinião, valem mais que qualquer curso de vela. A prática combinada com o intercâmbio de informações tornaram os dias no Obelix II uma verdadeira pós-graduação em navegação e vida no mar

Durante aqueles dias, fizemos o que nós velejadores mais gostamos: contamos histórias. Histórias de sucesso em travessias, histórias de problemas no mar, técnicas para consertar isso, ajustar aquilo. Escrevendo esse texto me vem à cabeça aqueles dias tranquilos, aquelas águas azuis e calmas e, principalmente, a saudade que tenho dos meus amigos Sandro e Áureo. Aos que ainda não conhecem, recomendo fortemente a visita. Aos que conhecem, recomento o retorno.

Em breve estarei de volta, amigos.

Bons ventos!

Tadeu Puretz

Veleiro Confusinho – Rio de Janeiro – Brasil